logo
Bem-Estar
     

15/05/2017
Abraços fazem bem à saúde - e até os cães sabem disso

Efetividade do gesto é comprovada pela ciência e tem emocionado a internet após experimento envolvendo animais abandonados na Tailândia

Todo mundo sabe por experiência própria e a Ciência faz questão de comprovar a seu modo: abraços fazem bem à saúde emocional e física. Em 2014, por exemplo, um estudo publicado na revista Psychological Science apontou que receber esse sinal de afeto e cuidado protege contra efeitos de estresse, ansiedade e até depressão.

A descoberta aconteceu na Carnegie Mellon University, nos Estados Unidos e acrescentou, ainda, que ser abraçado impulsiona a imunidade e evita, por exemplo, problemas como a gripe. Tudo devido à sensação de conforto, apoio e pertencimento, que acalmam o organismo.

Um ano antes, uma outra pesquisa, dessa vez realizada na Universidade Médica de Viena, na Áustria, destacou que ser abraçado por alguém de confiança pode reduzir a pressão arterial e até melhorar a memória. A análise foi liderada pelo neurofisiologista Jürgen Sandkühler. Segundo ele, esse fenômeno se explica pela oxitocina liberada no organismo e circulante via corrente sanguínea.

Que tal aproveitar o próximo dia 22, então, e abraçar mais? A data é considerada o Dia Internacional do Abraço, e foi motivada pela campanha Free Hugs, que viralizou na web.

Por falar nisso, uma outra iniciativa tem emocionado na internet e vem da Tailândia. Por lá, um garoto decidiu chamar a atenção para a adoção responsável de animais e as atividades de um abrigo local com um experimento diferente. Ao longo de um dia inteiro, ele se esforçou para ganhar a confiança e distribuir abraços a cãezinhos de rua. Alguns bastante resistentes a princípio. Já outros... Bom, o resultado foi mostrado no vídeo abaixo de forma emocionante – e só comprova que afeto é capaz de transformar, sim.

WhatsApp Email LinkedIn Google+