logo
Economia e Negócios
     

15/11/2017
Black Friday e 13° Salário: como evitar que essa mistura bombástica estoure suas finanças

Onda de descontos em massa chega junto ao benefício de trabalhadores brasileiros e pode ser ótima oportunidade para fazer compras com economia. Por outro lado, é preciso tomar cuidados

Final de ano chegando e todo mundo já pensa no quê? Bom, além das festas de Natal e Ano Novo, outros dois termos vêm à mente: 13º salário e Black Friday. Pois é. Desde que o mercado brasileiro resolveu importar a moda americana de descontos em massa para queima de estoque, o bolso de quem nasceu no território tupiniquim já não é o mesmo.

Por um lado porque, de fato, é possível economizar muito em compras de itens variados que podem chegar a ter 80% de desconto. Por outro porque, basicamente, a Black Friday coincide com o pagamento do benefício extra aos trabalhadores formais. Nessa hora, vale pensar o seguinte:


a) De fato, fazer compras não é crime. Muito pelo contrário: esta pode ser a hora certa para comprar aquilo que tem sonhado ou tem necessitado a preços abaixo da média.

b) No entanto, é importante colocar na ponta do lápis se há dívidas a serem quitadas e gastos frequentes no início do ano, como pagamento de IPVA e investimentos na educação das crianças (listas escolares chegando!)  


O que fazer, então, para conciliar tudo isso? O Me Poupe!, responsável por publicações e vídeos super didáticos envolvendo economia diária, elaborou um artigo sobre o assunto e deu dicas preciosas. Confira:

 

Faça uma lista

“NADA DE COMPRAR o que estiver na promoção apenas por estar na promoção. Fazer uma lista do que você realmente precisa comprar é fundamental pra esse negócio rolar direito e você não se endividar à toa. Seu celular tá uma bomba e você precisa substituir? Pode ser uma boa oportunidade. Você engordou/emagreceu e sua calça jeans velha de guerra não está servindo mais? Quem sabe você consiga substituí-la por um preço bem amigo”, aponta o texto.

Mas alerta: “Avalie muito bem o que realmente está por um preço melhor e cruze essas informações com a sua lista de desejos. Se uma coisa não bater com a outra, paciência, fica pra próxima. Agora, se rolar uma sinergia entre as duas coisas, vá para o próximo item”.

 

Determine um orçamento máximo

“Não é simplesmente porque um terno que custava R$5 mil tá custando R$1 mil na Black Friday que você vai levar. ‘Ah, mas cês tão loucas? Tá custando 20% do que custava!!!!’. Ok, mas e se só couber no seu bolso um terno que custe R$700?”, questionam.

É aí que entra a dica: “Não importa apenas se o preço baixou muito e se ele baixou de verdade. É fundamental entender se o novo preço faz com que aquela possível compra caiba no seu bolso. Esse orçamento pode ser para a lista toda ou para cada item em específico, e aí, quem vai determinar isso é você”.

 

Na dúvida, tome um ar

“É muita coisa pra pensar, a gente sabe, mas garantimos que vale a pena chegar em casa sem se arrepender de nenhum centavo gasto e enfrentar a fatura do cartão de crédito com dignidade. Por isso que uma das nossas recomendações é: na dúvida, espere para decidir.

Vai tomar um café, responder alguns e-mails, respirar ar puro… o que não vale é cair em pressão de vendedor (que tem metas pra bater e só está fazendo o trabalho dele – cabe a você fazer o seu)”.

 

O Me Poupe!

As redes sociais da marca recentemente chegaram a um milhão de adeptos. A explicação para o fenômeno está na idealizadora do Me Poupe!, a jornalista Nathália Arcuri, e à forma didática e divertida com que trata sobre finanças pessoais.

Não foi por outro motivo, aliás, que no ano passado se tornou “embaixadora” de uma série de vídeos do canal Sicoob Oficial, no Youtube, explicando passo a passo sobre nossos serviços e facilidades – além de, claro, conceituar tópicos importantes da filosofia cooperativista. Um exemplo você pode ver abaixo:
 

WhatsApp Email LinkedIn Google+