logo
Especial Dia das Crianças
     

10/10/2017
Oratório Coração de Jesus: o cantinho solidário e de transformação para crianças como o Gui

Em mais um especial do nosso site, reunimos histórias de superação, esperança e cooperativismo. Na de hoje, a trajetória e os resultados de uma entidade criada por um solitário homem de fé há dez anos. Nesse tempo, consolidou ações que fazem a diferença, todos os dias, para os pequeninos a quem pertence o futuro

Foto e Arte: Deividson Costa

O nome dele é Guilherme Pereira, um garotinho de apenas 6 anos. Olhos castanhos cheios de brilho; velocidade e disposição invejáveis para escalar amoreiras; e uma lição em miniatura de humildade.

- O que você gostaria de ganhar no Dia das Crianças? – quis saber nossa reportagem.

- Já ganhei – respondeu.

E motivado a contar que presente havia recebido, foi rápido em acrescentar:

- Chup-chup, bala e pipoca.

- Gostaria de alguma outra coisa?

- Hmm... Mais pipoca.

Gui, como é carinhosamente conhecido, é uma das dezenas de crianças que frequentam o Oratório Coração de Jesus, em São Tiago. Garante, aliás, que nutre um sonho meio Peter Pan: não quer crescer, pra poder brincar no espaço construído via doações pra sempre.

- Bom... Acho que isso é meio impossível. Mas mesmo grande você pode vir até aqui e fazer por outras crianças o que fazem por você.

- Então quando for ‘grande’ vou poder ser bom como o Tiago?

A pergunta é feita com referência a Tiago Eduardo de Paula, idealizador da iniciativa que recebe dezenas de baixinhos e adolescentes todos os dias. Ali, meninos e meninas com idade entre 1 e 13 anos brincam, desenham, escrevem, conversam e se alimentam em uma pequena cozinha construída aos poucos e equipada com simplicidade. Tudo mantido com doações diárias de padarias da Terra do Café com Biscoitos e itens de cesta básica arrecadados no comércio.

 

Lições

O Oratório comemora uma década neste ano. E exatamente por isso coleciona histórias inspiradoras que começam com a do próprio Tiago, que contamos aqui. Em resumo: essa é a saga um jovem que perdeu um dos braços na adolescência, se transformou em adulto com ideais de humildade e se converteu, pouco depois, em um franciscano capaz de fazer olhares tortos refletirem caridade.

Atualmente, a persistência dele tem papel de destaque no enredo de vida para as jovens Taimara e Bruna e o menino Gui. 

 

Taimara e Bruna

Ambas eram muito pequenas quando viram Tiago passar pelas ruas da cidade natal com trajes franciscanos, barba gigante e lições sobre resiliência e partilha.

Pouco entendiam sobre as palavras, mas as colocavam em prática até sem saber. “Eu compreendia que algo importante estava sendo feito e que podia ajudar. Então, quando não estava na escola, vinha até aqui. Primeiro ajudar na construção do espaço. Depois passar um tempo com as crianças ”, relembra Taimara Carvalho, hoje aos 20 anos e com uma grande paixão: a sobrinha.

A pequenina ainda não conhece o Oratório, mas cresce com reflexos do que ele fez pela tia. “Lembro de pegar uma lousa improvisada e utilizar giz pra brincar de escolinha. Só depois fui entender que naquele faz-de-conta eu acabei ensinando muita coisa para quem tinha dificuldades. Meus alunos de mentirinha, por outro lado, me mostraram a importância da paciência. E é ela que levo pra minha família”, explica.

Para Bruna Luz, 24 anos, isso é ainda mais latente. Ela é mãe de Luana, 7, facilmente vista brincando com os amiguinhos que fez na instituição ou ajudando a organizar o espaço. “Eu também era assim na infância e sou grata por tudo o que vi e aprendi aqui. Lembro de pequeninos chegando aqui famintos, agressivos e impacientes até para rezar. Aos poucos, com o olhar e as palavras do Tiago, além de alimento e convivência, eles mudavam. Nada foi imposto. Tudo foi ensinado. Isso foi inspirador pra mim ontem, é inspirador pra Luana hoje”, relata.

 

Guilherme

Que o diga o pequeno Guilherme, herdeiro direto da dedicação de todas essas gerações que apostaram na caridade e cidadania. Maroto, encantador e risonho, diz que encontrou no Oratório um lugar para brincar com os irmãos, encontrar coleguinhas e nutrir um sonho nos galhos da amoreira que adora escalar:

- Alcançar o céu!

- Jura? E como acha que vai conseguir?

- Sendo astronauta.

- Que coisa linda! Sabe que pra isso tem que estudar muito, não é?

- Sei... por isso rezo pra ser inteligente.

- Você já é! E com um coração muito lindo!

- (Ele suspira e abraça a repórter) Te amo!

Mal sabe que amor é exatamente o que desperta em todos a seu redor.

WhatsApp Email LinkedIn Google+